A vida sempre arranja um jeito

Enquanto caminha em direção de Julia, que está de costas, Ed a olha de uma forma diferente, seu coração bate mais forte. Faltando dois passos para alcançá-la ele a chama com um sorriso no rosto:

-Pequenaaa!

No mesmo instante Julia se vira para Ed e seu grande sorriso aparece.

-Oieee! Quanto teeempo! -Diz Julia abraçando Ed.

-Que saudade de você! -Diz Ed com os olhos fechados e abraçando mais forte Julia.

Se soltam lentamente do abraço e ficam se olhando.

-Quanto tempo mesmo. Fazem dois anos desde a última vez. -Diz Ed olhando nos olhos de Julia. -Vem cá de novo! -Ed a abraça novamente mais forte.

Ficam abraçados por alguns instantes. Após isso, entram no restaurante em frente onde marcaram de se encontrar. Julia vai na frente e escolhe a mesa, se senta e Ed se senta logo em seguida em sua frente. O restaurante é um lugar confortável, de luz baixa, mesas fechadas e bancos almofadados. Numa noite de frio alí com os dois, não pode deixar de ser romântico.

-Vamos já pedir algo para beber? -Diz Julia pegando o cardápio e o abrindo.

-Claro, vamos ver o que temos aqui.

-Já sei! Quero essa bebida aqui sem álcool, é um suco diferente de limão. -Diz Julia apontando a bebida para Ed.

-Então vou te acompanhar, vou sem álcool também. Vou pedir o mesmo. -Diz Ed com sorriso pequeno olhando para Julia. -Garçom, por favor! Me dê dois desse suco aqui por favor.

-Me diz, o que tem feito de bom nesse tempo todo? -Pergunta Julia em tom de curiosidade.

-Ah! Trabalhando muito, troquei de empresa desde a última vez que nos vimos. Terminei a faculdade e ando escrevendo bastante agora. Só isso de bom mesmo. -Ed sorri.

-Siiim, eu vi seus textos. Muito legal. Que bom que está tudo bem. -Julia da um pequeno sorriso.

-Mas e você? Como está a vida morando em outro país? -Ed pergunta.

-É muito bom, mas é complicado se adaptar à cultura, bem diferente daqui, os alemães são mais fechados. Estive trabalhando cuidando de duas crianças e morando com a família. Isso faz parte do programa de intercâmbio. É legal porque a gente fica em contato direto com os costumes, muito legal! Mas o difícil mesmo é ficar longe da minha família. Sinto muita falta deles. -Julia abaixa o olhar um pouco.

-Que legal, então você está muito bem também. Fico feliz. E consigo imaginar o quão difícil é ficar longe da nossa família. Mas você pensa em voltar? -Pergunta Ed olhando atento para Julia.

-Já pensei sim. Mas não sei. Tem muito tempo para pensar ainda. Vamos ver né? -Julia responde com sorriso de canto. -E você conheceu outras garotas?

-Conheci sim, algumas que não queria ter conhecido. Mas nada deu certo. Esse mundo está complicado, ninguém consegue pensar igual a mim. Entende? Então prefiro ficar sozinho. E você? -Pergunta Ed.

-Conheci também, mas mesma história da sua, deu em nada. Realmente o mundo está complicado, as pessoas perderam o juízo das coisas. -Responde Julia inconformada.

Ambos fixam o olhar um nos olhos do outro e ficam sem dizer uma só palavra por alguns instantes. Até que o garçom quebra o momento:

-Dois sucos. Fiquem a vontade!

-Muito obrigado. -Responde Ed ao garçom.

Ambos dão um gole no suco. Ed olha para Julia, olha para baixo e diz:

-Eu não esqueci de nada, sabia?

-Eu também não. -Diz Julia com voz baixa já sabendo do que se tratava.

-A cada vez que nos encontramos eu lembro de cada detalhe. Todos os lugares que fomos, até hoje sinto quando passo em frente, não são lugares comuns mais para mim. -Diz Ed olhando nos olhos de Julia. -Quero seu abraço, posso sentar do seu lado?

-Pode, vem cá. -Responde Julia.

Ed se levanta e vai para o lado de Julia e se senta. Eles se abraçam.

-Eu senti muita saudade de você. -Diz Ed com os olhos fechados.

-Eu também. -Diz Julia com os olhos também fechados.

Quando se afastam, Ed olha para Julia e lhe da três beijos em sua testa. Julia sorri e deita sua cabeça no ombro de Ed que envolve seu braço nela.

-Não parece que se passou dois anos desde a última vez que nos vimos. Eu gosto de você da mesma maneira ainda. Parece que nada mudou, parece que se passou apenas uma semana. -Ed respira fundo e continua. -É engraçado, de todas as garotas que conheci você foi a melhor delas, você é a melhor de todas.

-Você também é o melhor que conheci nesse tempo todo. -Diz Julia.

Ed dá um sorriso de canto sem deixar Julia ver. No mesmo momento começa a acariciar o rosto dela e lhe dá um beijo na cabeça.

-É engraçado, a vida nos trouxe aqui de novo. Depois desse tempo todo, eu poderia estar com alguém e você também, ou até mesmo o afeto ou nossa comunicação poderia ter acabado. Mas não, a vida nos trouxe aqui de novo, mesmo depois desse tempo todo. E nos trouxe aqui como se não tivesse acontecido nada e nem mudado nada. Igual falei antes, parece que passou apenas uma semana desde a última vez. Você é única Julia e estou super feliz de você estar aqui agora do meu lado, você não tem ideia. Achei que nunca mais nos veríamos. -Diz Ed emocionado.

-Concordo com tudo o que você disse. Mas você não acha meio errado isso tudo? Eu vou ter que ir embora essa semana já. -Diz Julia com voz de tristeza.

-Eu sei, mas não errado. Isso aqui é verdadeiro. Igual eu disse, a vida nos trouxe aqui de novo. E é engraçado que com você eu me sinto diferente. Me sinto bem com você, coisa que nenhuma conseguiu fazer. Você é especial. Mesmo tendo outras mulheres passado em minha vida, você sempre esteve aqui comigo. -Diz Ed ainda acariciando Julia.

Ed da mais um beijo na cabeça de Julia e começa dar vários. Dá beijo na bochecha e Julia o olha com um olhar que só ela consegue fazer e com sorrisinho tímido.

-Eu conheço essa carinha aí. Essa linda carinha. -Diz Ed sorrindo.

-Conhece é? -Pergunta Julia sorrindo também.

Ambos ficam se encarando e suas bocas lentamente vão se aproximando, até que elas se encontram. E aqui o beijo acontece, um beijo diferente dos outros. Um beijo com significado, um beijo com valor, com saudade, com sentimento. Enquanto se beijam, Ed coloca sua mão no rosto de Julia. A pergunta é, o que está passando na cabeça dos dois agora nesse exato momento? Eu como narrador aposto que estão pensando em nada, os corações deles estão batendo tão forte que o que tem ali agora é só sentimento. Olha só…

O beijo termina lentamente e suas bocas se afastam lentamente. Eles se olham e finalizam com um selinho. Ambos sorriem. Julia deita novamente sua cabeça no ombro de Ed e entrelaçam suas mãos.

Eu sei que Ed quer falar mais coisas, mas não consegue. Mas eu entendo, o que adiantaria falar agora? Mas seria importante para Julia? Então ficaram alí conversando sobre qualquer coisa e entre as conversas suas bocas se encontraram algumas vezes e o silêncio predominava, mas ainda bem que no restaurante há música de fundo. Uma música com volume agradável e com solos de guitarra estilo Texas. Músicas que tornam-se uma trilha sonora para essa noite que ficou novamente especial.

-Vamos lá para fora? Aproveitar essa noite gostosa. -Pergunta Ed.

-Vamos sim. -Responde Julia com sorriso de canto.

-Vou pedir a conta. -Diz Ed já fazendo sinal para que o garçom traga conta.

Ed coloca sua boca na orelha de Julia e lhe dá uma mordidinha fazendo com que Julia se arrepie e sorria.

-Aqui está. -Diz o garçom colocando a conta sobre a mesa.

Ed tira sua carteira do bolso e vê que Julia tira sua carteira também. Logo Ed já fala:

-Não não! Deixa que eu pago. É um presente meu para você.

-Magiiiina, divide. -Diz Julia.

-Não não, meu presente.

-Está bem, meu presente. -Diz Julia sorrindo.

Ed faz o pagamento e os dois saem andando até chegarem à rua. Começam a andar pela calçada e quando vão atravessar, Ed desce a guia e diz:

-Fica parada aí em cima da guia. Agora você está quase do meu tamanho. -Diz sorrindo.

-Mentira, já estou do seu tamanho. -Diz Julia sorrindo.

Ed se move até na frente de Julia e fica parado a olhando. Julia sem pensar o abraça. E o abraço fica apertado e se encaixa perfeitamente como se fossem duas peças feitas para trabalharem juntas. Eles se olham ainda abraçados e ficam se olhando como se o olhar falasse, mas com certeza essa troca de olhares está dizendo muitas coisas. Ed a beija. E sem nenhuma explicação esse beijo se torna um beijo quente. Seus corpos bem juntos, o toque das mãos pelo corpo, o arranhão nas costas, a pegada na nuca, a carícia no rosto, os olhares fixos trocados durante o beijo. Um beijo que demora minutos e que termina lentamente, até porquê parece que suas bocas não queriam se separar de forma alguma.

Ficam se olhando nos olhos sem parar. Ainda quero entender o que esses olhares estão dizendo. Não são olhares normais, alí tem algo. A forma que se abraçam que parece que não querer se soltar.

-Preciso ir embora, minha mãe fica preocupada. -Diz Julia baixo.

Ed fica chateado com a notícia, seu coração bate mais forte, ele disfarça para que Julia não perceba, mas aceita.

-Tudo bem. -Diz Ed desapontado. -Eu não queria que você fosse.

-Eu também não queria. -Diz Julia com voz baixa e claramente desapontada também.

Já é visto que ambos não querem sair dalí e também já é visível a tristeza deles por não saberem quando irão se ver novamente. Ed a abraça forte novamente, com seu coração batendo já triste, não querendo a soltar mais. Julia o abraça forte também com a tristeza também em seu peito. Ambos fecham seus olhos e sentem aquele momento especial e único. Um conseguindo sentir o batimento do coração do outro, batida forte. Novamente se beijam e dessa vez um beijo muito mais apaixonado. Sim, eu chamo isso de beijo apaixonado. Esse beijo tem poder, não é comum, claramente é especial para ambos. Depois de vários minutos alí se beijando eles vão se separando aos poucos e vão se afastando.

-Tchau. -Diz Ed triste a olhando.

-Tchau. -Diz Julia também triste o olhando.

Ambos se viram e dão dois passos. Olham para trás de novo e não aguentam. Voltam e se abraçam novamente bem forte. Alí ficam mais algum tempo entre abraços calorosos e beijos apaixonados. Eu os olho e vejo alí um casal. Que história bonita há aqui. Acho que nasceram um para o outro, de onde sai um beijo apaixonado assim? De onde sai essa saudade? De onde sai tantas lembranças boas? De onde sai tanta vontade de querer estar junto? O coração entrega as pessoas e hoje eles foram descobertos.

A vida os trouxe de volta aqui hoje. E tenho certeza que irá trazer de novo. Porque com toda a minha sabedoria eu posso dizer, se duas pessoas são feitas uma pra outra, a vida arranja um jeito de uní-las.

E a última frase que disseram foi: Até um dia.

-William Heleno

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: